Será que estamos preparados para escolher nossos representantes municipais?

Você está visualizando atualmente Será que estamos preparados para escolher nossos representantes municipais?
Crédito: TRE

Por Juscimar Ribeiro 

Em 2024 teremos eleições municipais, ou seja, mais de 5000 municípios brasileiros irão escolher seus próximos gestores por mais 4 anos, sendo prefeitos, vice-prefeitos e vereadores. Será que estamos preparados para essas escolhas? O que devemos levar em conta para escolher bem nossos representantes para cuidarem das nossas cidades?

A importância do planejamento das políticas públicas municipais é fundamental para o desenvolvimento das cidades e a qualidade de vida dos cidadãos. Quando um município possui um planejamento bem estruturado, com objetivos claros e metas definidas, é possível gerir os recursos públicos de forma mais eficiente, melhorar a qualidade dos serviços oferecidos à população e garantir o crescimento sustentável da cidade. Vou abordar os seguintes aspectos:

  1. Ditames Constitucionais e Competências Legais do Município:
  2. Planejamento Urbanístico:
  3. Preservação Histórica e Ambiental:
  4. Capacitação dos Gestores e Servidores Públicos Municipais:
    • Investir na capacitação dos gestores e servidores é fundamental. A formação contínua permite que eles estejam atualizados com as melhores práticas de gestão, compreendam as demandas da comunidade e apliquem soluções eficazes. Capacitar os servidores também contribui para a eficiência na prestação dos serviços públicos e para a tomada de decisões embasadas em conhecimento técnico.

Em resumo, o planejamento das políticas públicas municipais é um fator determinante para o desenvolvimento sustentável das cidades, a preservação de sua história e a promoção do bem-estar dos cidadãos.

Todos estes aspectos entendo serem essenciais para a boa escolha de nossos representantes. E você? Pensou nisso? Escolha bem quem irá nos representar e cuidarem das nossas cidades, viu?

Juscimar Ribeiro 

Advogado especialista em direito administrativo e direito constitucional; presidente do instituto de direito administrativo de Goiás-Idag; conselheiro do instituto brasileiro de direito administrativo- IBDA.

Deixe um comentário