Facilidades na compra da 1ª moradia ajudam a reduzir déficit habitacional em Goiás

Você está visualizando atualmente Facilidades na compra da 1ª moradia ajudam a reduzir déficit habitacional em Goiás

Nos dois últimos anos, entre 2017 e 2018, seis mil famílias goianas de baixa renda passaram a respirar aliviadas depois de terem entrado na casa própria. Elas representam 27 mil pessoas no Estado que saíram da situação de déficit habitacional, segundo levantamento do Instituto Mauro Borges (IMB), ligado à Secretaria Estadual de Gestão e Planejamento (Segplan). A pesquisa, que usa dados do Cadastro Único para Programas Sociais do Governo Federal (CadÚnico) atualizados até maio do ano passado, mostra, entretanto, outras 429 mil pessoas em Goiás ainda sem casa própria. A maioria desse contingente, 74,38%, paga aluguel, enquanto que 16,51% dessa população vive em habitações improvisadas.

O estudo feito pelo IMB revela ainda que o aluguel continua sendo realidade para 113 mil famílias goianas, 71% de todas aquelas enquadradas na situação de déficit habitacional. Mas, para Fernando Salomão, gestor regional de vendas da MRV em Goiás, construtora que é a principal operadora do programa Minha Casa Minha Vida (MCMV) no País, os dados apresentados revelam uma outra faceta: a grande maioria das famílias goianas que estão em situação de déficit habitacional tem um grande potencial para conquistar sua casa própria, restando muitas vezes apenas alguns pequenos incentivos e mais informações para poderem financiar seu primeiro imóvel.

“São famílias que têm condições de pagar um aluguel e que por isso podem arcar com uma prestação para seu imóvel próprio, que, dependendo do valor financiado, é bem menor do que se paga mensalmente para alugar”, argumenta Fernando, que neste sábado (23/03) comanda mais um feirão de imóveis da MRV. O evento será realizado em vários estandes da construtora espalhados pela Grande Goiânia e irá oferecer várias facilidades, que podem ser um excelente pontapé inicial para quem quer sair do aluguel.

Incentivos

O desafio de quem paga aluguel, na análise de Fernando, é conciliar a parcela com o aluguel, quando o empreendimento ainda estiver em obra, ou pagar uma entrada de valor maior se o apartamento estiver pronto. “Porém, nós já criamos alternativas para driblar estas situações, garantindo o equilíbrio financeiro para o consumidor”, diz. Uma delas é a entrada de apenas R$ 99 para os lançamentos. Se o imóvel já estiver pronto, e a família não consegue 100% de financiamento e precisa dar uma entrada, é possível parcelá-la em até 60 meses na MRV Engenharia.

“Com essa opção [de parcelamento], o cliente não precisa descapitalizar e é possível pagar a prestação e o aluguel, até o imóvel ficar pronto”, pontua Fernando Salomão. Ele acrescenta que a prestação do financiamento imobiliário só passa a correr quando o cliente recebe as chaves do apê, justamente no momento em que ele sai do aluguel para a casa própria, sem comprometer sua renda além do orçamento. Além disso, os juros subsidiados pelo MCMV mantêm a parcela em valor compatível com a renda dos mutuários.

Redução do déficit

O levantamento referente aos dois últimos anos mostra que o déficit habitacional em Goiás retraiu de 6,7% em 2017 para 6,3% em 2018. O percentual, apesar de pequeno, em números absolutos representa muito, pois aponta que 27 mil pessoas deixam essa situação de precariedade habitacional. Para se ter ideia, é como se toda a população de Bela Vista de Goiás, na Região Metropolitana de Goiânia, tivesse conquistado o sonho da casa própria nesse período.

Nesse mesmo período, a MRV vendeu e entregou as chaves da primeira moradia para mais de 1.600 famílias em Goiás. Esse número representa 6% de todo o déficit habitacional sanado no estado entre 2017 e 2018. “Em 2018, 97% de todas as unidades habitacionais que vendemos em Goiás foi a primeira moradia das famílias. Neste ano, queremos vender um número superior a dois mil apartamentos”, conta o gestor regional de vendas da MRV em Goiás.

Segundo ele, a maior parte das famílias que procuram os imóveis da construtora têm renda média de dois salários mínimos. É um público de perfil compatível com aquele que se encontra no levantamento do Instituto Mauro Borges, onde 31% dos chefes das famílias em situação de déficit habitacional trabalham por conta própria e apenas 11% têm carteira assinada.

A companhia mineira, sediada em Belo Horizonte, é considerada a maior construtora de imóveis econômicos da América Latina. Atuando em 22 estados e no Distrito Federal, a empresa se notabilizou no mercado de imóveis econômicos por oferecer uma série de facilidades financeiras e flexibilidade na aprovação de crédito.

Feirões

Uma das ações da construtora que mais viabilizam a compra da primeira moradia são os feirões da casa própria realizados ao longo do ano, como o que será realizado neste sábado, com a oferta de 1.300 apartamentos na planta e que estão sendo construídos em Goiânia, Aparecida de Goiânia e Anápolis. São imóveis de dois quartos, em condomínios que contam com salão de festas, espaço gourmet, playground, salão de jogos, piscinas adulto e infantil, pomar, energia solar para abastecimento das áreas comuns e bicicletário, além de outros diferenciais.

Feirão da casa própria MRV – Goiânia, Aparecida de Goiânia e Anápolis

Dia: 23 de março (sábado)
Horário: a partir das 8h
Onde: plantão de vendas da MRV
Em Aparecida de Goiânia – Av. Bela Vista QE lote 01, Bela Vista.
Em Anápolis – Av. Fernando Costa, 122, Vila Jaiara.

Deixe um comentário