Setor de serviços goiano sobe 4,7% em julho, a maior alta do País

Você está visualizando atualmente Setor de serviços goiano sobe 4,7% em julho, a maior alta do País
(Freepik)

Após o discreto aumento de 0,8% em junho, o volume de serviços goianos registrou crescimento de 4,7% em julho, a maior alta do Brasil. Na comparação com o mesmo mês do ano anterior, a variação é ainda
maior, 13,2%. As informações foram divulgadas hoje (1) pela Pesquisa Mensal de Serviços (PMS) do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

O volume de serviços prestados no País cresceu 1,1% na passagem de junho para julho, terceiro resultado positivo seguido, período em que acumula ganho de 2,4%. O aumento foi registrado em 17 das 27 unidades da federação.

“Com esse crescimento de julho, o setor de serviços chega ao ponto mais alto desde novembro de 2014, ou seja, do maior patamar da série. Essa retomada de crescimento é bastante significativa e é ligada aos serviços voltados às empresas, como os de tecnologia da informação e o de transporte de cargas, que têm um crescimento expressivo e alcançam, em julho, os pontos mais altos das suas respectivas séries. Então o que traz o setor de serviços a esse patamar é o dinamismo desses dois segmentos”, destaca o gerente da pesquisa, Rodrigo Lobo.

Com os resultados divulgados hoje, o setor de serviços goiano apresenta alta de 9,1% no acumulado do ano e 9,4% no acumulado dos últimos 12 meses.

É o ponto mais alto desde março de 2015.

A retomada de crescimento está ligada principalmente aos setores “Transportes, serviços auxiliares aos transportes e correios”, com destaque para a gestão de portos e terminais, conectada ao escoamento de safra agrícola, e aos “Serviços prestados às famílias”, com ênfase para, no geral, hotéis e restaurantes, o que se relaciona à temporada de férias.

O transporte como um todo foi beneficiado pelo escoamento de produção, carregamento de mercadorias e a retomada do transporte de passageiros.

A PMS produz indicadores que permitem acompanhar o comportamento conjuntural do setor de serviços no país, investigando a receita bruta de serviços nas empresas formalmente constituídas, com 20 ou mais pessoas ocupadas, que desempenham como principal atividade um serviço não financeiro, excluídas as áreas de saúde e educação. Há resultados para o Brasil e todas as unidades da Federação. Os resultados podem ser consultados no Sidra