Queda da Selic faz mercado imobiliário vender 60% mais em 2020

Você está visualizando atualmente Queda da Selic faz mercado imobiliário vender 60% mais em 2020
Após cenário incerto com o início da pandemia, mercado reage e vê volume de vendas duplicar no último trimestre (Crédito da foto: Shutter)

Liderada pela liberação de financiamentos para a pessoa física realizar o sonho da casa própria, a expansão do crédito imobiliário em 2020 alcançou crescimento de 60% ante 2019, para R$ 93,9 bilhões. O montante foi o maior já registrado pelo setor. Deste total, R$ 66,5 bilhões foram para a compra de residências usadas, enquanto R$ 27,5 bilhões para novas unidades, de acordo com dados divulgados pela Associação Brasileira das Entidades de Crédito Imobiliário e Poupança (Abecip). 

Este cenário é confirmado pela Desenrola, plataforma imobiliária digital que atua em Goiânia, Cuiabá e São Paulo. Nos primeiros meses de 2020, a empresa amargou queda nas vendas diante do início da pandemia do coronavírus, que trouxe incertezas econômicas que impactaram nas negociações imobiliárias. No entanto, diante do ‘novo normal’ e da redução da taxa de juros bancários, que é a menor dos últimos 10 anos, o mercado reagiu e recuperou o volume de vendas.  

“Os clientes, inseguros diante de um cenário desconhecido, preferiram aguardar algum sinal de confiança do mercado para continuar suas transações, o que veio com força total no último trimestre do ano, com a retomada do mercado. Podemos falar que duplicamos o número de negócios concretizados no período, um aumento de 100% em relação ao período anterior. Todos esses fatores, aliados às facilidades oferecidas pelos bancos, indicam que 2021 será um ano aquecido para o segmento imobiliário”, destaca a gerente comercial da empresa, Priscilla Leão. 

Para este ano, o mercado também sinaliza um aumento maior na procura de imóveis diante de um novo perfil de cliente que surgiu em 2020: o queridinho imóvel compacto agora dá espaço a imóveis maiores, com mais conforto e qualidade de vida. “Temos o advento do home-office, que impôs às pessoas permanecerem mais em casa e acabou exigindo imóveis maiores com escritórios ou um cômodo a mais. O cliente agora está se preocupando mais com o seu conforto e de sua família”, destaca Priscilla.

Casas em condomínios fechados e apartamentos a partir de 100 metros, localizados em regiões mais centralizadas de Goiânia, como os setores Setor Bueno, Marista, Oeste e Jardim Goiás, são os mais procurados pelos clientes no momento, o que reforça as previsões positivas para 2021. “Nossa expectativa é alcançar, no mínimo, um amento de 50% nas vendas em relação ao resultado de 2019, pois não é possível considerar 2020 por ter sido um ano realmente atípico”, calcula. 

O novo lançamento da EBM Desenvolvimento Imobiliário, em parceria com a EA3 Urbanismo, um condomínio fechado de casas na região do Parque Atheneu, surge a partir dessa nova realidade. O Residencial Kazas Jardins Bellágio traz casas com área construída de 80 metros quadrados, dois quartos, suíte, duas vagas de garagem, e ainda conta com diferenciais como áreas de lazer entregues equipadas e decoradas, proporcionando espaços de boa convivência e bem-estar ao ar livre, além da possibilidade de construção de área gourmet com piscina.  

“Estamos diante de um período de mudanças em que o lar recebeu novos sentidos, o que não mudou é o desejo das pessoas de encontrarem espaços que abracem as necessidades da família. O Kazas vem para atender a uma demanda real por mais espaço, conforto e amplitude para a rotina familiar. É um empreendimento que representa novas possibilidades, com liberdade, lazer, contato com a natureza, segurança e praticidade”, afirma Ademar Moura, gerente de marketing e comercial da EBM Desenvolvimento Imobiliário.  

Recorde  

Ao todo, segundo a Abecip, os financiamentos para a compra e a construção de imóveis em 2020 somaram R$ 123,97 bilhões em 2020, crescimento de 57,5% na comparação com 2019. O resultado foi o maior da história, superando o montante de R$ 112,9 bilhões visto em 2014. Estes números consideram apenas os financiamentos com recursos originados nas cadernetas de poupança.