Pirenópolis recebe primeiros pontos de carregamento para carros elétricos

Você está visualizando atualmente Pirenópolis recebe primeiros pontos de carregamento para carros elétricos
Novidade está localizada na Villa do Comendador (Imagem: Estadão Conteúdo)

O Grupo Villa Hotéis inaugurou, na última quinta-feira (17), os primeiros pontos para carregamento de carros elétricos em Pirenópolis (GO). A partir de agora, o grupo hoteleiro oferece, com custos zero, o carregamento de veículos elétricos. O atendimento será de forma agendada junto à Villa do Comendador/Pousada de Charme.

(Divulgação)

A inovação segue uma tendência mundial e é feita em parceria com a Secretaria Municipal de Turismo de Pirenópolis, Engie e Audi. De acordo com a Associação Brasileira dos Proprietários de Veículos Elétricos Inovadores (Abravei), são cerca de 11 mil veículos elétricos e híbridos plug-in no Brasil. Desse total, 2,2 mil são 100% elétricos. Os demais, chamados de híbrido plug-in, são aqueles que têm dois motores (um elétrico e um a combustão), com a possibilidade de recarregarem suas baterias na corrente elétrica.

A diminuição de carbono e programas ambientais são metas que o Grupo Villa Hotéis vem realizado juntamente com a assessoria da Associação do roteiros de Charme do Brasil que compõe 75 hotéis associados no Brasil sendo 4 em Goiás.

Recentemente, o Grupo Villa Hotéis lançou a pedra fundamental da maior usina de energia limpa da região. Os 5 empreendimentos do grupo serão 100% atendidos pela demanda gerada, tendo total autonomia em sua energia.

Mobilidade elétrica

Brasília Empresas (DF) – Quase dois em cada três brasileiros pretendem comprar um carro elétrico no futuro, segundo pesquisa encomendada pelo Itaú Unibanco (ITUB4) e divulgada na sexta-feira (18). Segundo o levantamento feito com mais de 100 mil clientes em janeiro, 62% deles mostraram interesse em comprar um veículo eletrificado. A margem de erro da pesquisa é de 5 pontos percentuais.

De acordo com os dados da Associação Brasileira do Veículo Elétrico (ABVE) citados pelo banco, em janeiro houve o emplacamento de cerca de 2.5 mil carros movidos a eletricidade no país, alta 93% sobre um ano antes. Atualmente, a frota de carros e comerciais leves elétricos no país é de quase 80 mil veículos.

Apesar do alto custo, mais de 150 mil reais, os carros elétricos e híbridos continuaram ganhando espaço em janeiro, segundo os dados da associação de montadoras Anfavea divulgados neste mês.

Os modelos elétricos registraram vendas de 368 unidades em janeiro e os híbridos 2.190 ante emplacamentos de 140 e 1.181 unidades um ano antes. Já as vendas dos veículos flex recuaram de 138,3 mil para 94,9 mil.

A participação dos modelos elétricos e híbridos no total das vendas de novos em janeiro foi de 2,2% ante 1,8% no total de 2021 e 1% em 2020, segundo os dados da Anfavea.

Em relação aos veículos a combustão, cerca de 79% dos que responderam à pesquisa do Itaú, feita pelo marketplace iCarros, disseram que planejam comprar um veículo usado.

Mercado

Em março de 2020, a montadora sueca Volvo anunciou que venderá apenas carros elétricos a partir de 2030. Até 2025, a marca projeta que os modelos 100% elétricos respondam por metade das vendas globais da companhia. A General Motors anunciou um plano de neutralização de carbono das suas atividades industriais e produtos até 2040. Para isso, todos os modelos fabricados pela GM, a partir de 2035, serão 100% elétricos, em todos os mercados globais, o que inclui o Brasil. Além delas, a Jaguar anunciou que será uma marca só de carros elétricos a partir de 2025. Na Land Rover, toda a gama terá ao menos uma opção sem motor a combustão até 2030.

Para se ter uma ideia, um carro popular a combustão, ao fazer o trajeto de ida e volta entre Goiânia e Brasília, jogaria 63 kg de CO2 no meio ambiente. A bordo de um carro elétrico, a emissão de CO2 é nula. O carro com motor elétrico também não emite ruído e tem uma manutenção muito mais simples e barata: basicamente precisará passar por troca de filtro do ar e do fluido do freio.