Novas tecnologias auxiliam no melhor funcionamento da gestão pública

Você está visualizando atualmente Novas tecnologias auxiliam no melhor funcionamento da gestão pública
Secretário executivo de Transformação Digital da Prefeitura do Recife, Rafael Figueiredo (Divulgação)

A imersão em novas tecnologias para o melhor funcionamento da gestão pública já é realidade para boa parte das prefeituras, seja ela grande ou pequena. Afinal de contas, prestar um bom serviço ao cidadão é o melhor legado que um administrador público deseja.

Capital pernambucana, Recife saiu na frente e hoje conta com um sistema de gestão entre os mais inovadores do país, com mais de 70% dos serviços prestados pela prefeitura digitalizados. Rafael Figueiredo, como secretário executivo de Transformação Digital da Prefeitura do Recife, liderou essa transformação digital.

De acordo com Rafael, que é um verdadeiro empreendedor público, a prefeitura que não inovar com novas tecnologias de gestão não conseguirá prestar um bom serviço ao cidadão. O empreendedor ressalta que a desculpa da falta de dinheiro não cabe mais, mas a consciência de que não existe uma solução pronta, porque tudo depende da rotina daquela localidade.

O especialista foi um dos palestrantes no Megaconf 2023, promovido pela empresa goiana Megasoft Informática. O seminário, que tratou das Inovações Tecnológicas na Gestão Pública, foi na quarta-feira, 19, para prefeitos e gestores públicos de municípios de Goiás. O evento, gratuito, foi uma verdadeira imersão em tecnologias para a gestão pública com inovações acessíveis a municípios de todo porte. Para a ocasião, Rafael nos deu uma entrevista.

Como se deu a implantação do atual sistema digital na prefeitura do Recife?

Na prefeitura do Recife fizemos um grande censo de serviços que foi o que originou tudo, já sendo uma obrigação legal desde dois mil e quinze. Foi nessa etapa que conseguimos identificar alguns pontos importantes que precisavam se modernizar.
E fomos atrás de saber quem eram os responsáveis por esse serviço até rastrear os canais de oferta desse serviço: um canal físico, digital ou ainda por telefone.

A partir dessas ações fizemos uma matriz de decisão, considerando três grandes critérios: o impacto social, a dificuldade em se digitalizar (quanto mais simples, mais fácil de fazer) e a urgência para se fazer a digitalização desse serviço. Foi quando criamos um ranqueamento onde digitalizamos os serviços do município. Hoje temos 72% dos serviços digitalizados.

Qual o segredo para uma prefeitura evoluir quanto às ferramentas de inovação tecnológica disponíveis?

Agora que podemos disponibilizar tudo na nuvem (de forma on-line) ficou muito mais simples para qualquer novo player no mercado. E o município é um player desse mercado e a primeira coisa que precisa ter, sobretudo, depois da nuvem, é a atitude.

A desculpa da falta de dinheiro não cabe mais, mas sim a consciência de que não existe uma solução pronta, porque tudo depende da rotina daquela localidade. E criar um processo modelo startup coloca para rodar, ver o feedback do cidadão, melhora se for possível e vai sempre se inteirando para evoluir. É cair para dentro e começar a execução.

O que você recomenda para pequenas prefeituras?

O que recomendo às prefeituras é começar por uma estratégia e fazer um ranqueamento dos serviços com maiores demandas e impacto para o cidadão do seu município. Se começa com ferramentas mais simples no modelo de startup enxuta, depois vai sofisticando conforme a interação do seu cidadão e avaliação que ele vai fazendo.

É preciso ter atitude empreendedora, começar. É como um bebê tentando seus primeiros passos: engatinha, dá os primeiros passos e logo está correndo. A prefeitura que não tiver coragem para empreender e conhecer novas técnicas, mais modernas, nunca prestará um serviço bom pro cidadão. Porque afinal de contas o cidadão hoje fica 54% do seu dia na tela de um computador ou smartphone, ou seja, são mais de treze horas olhando para uma tela. E se a prefeitura não está na tela, não vai conseguir atender a demanda do cidadão. E isso reflete politicamente em ausência de votos e perda do mandato. Então, quem quer continuar sendo protagonista político tem que investir em novas tecnologias.