Goiás é um dos 10 estados com mais empresas lideradas por jovens

Você está visualizando atualmente Goiás é um dos 10 estados com mais empresas lideradas por jovens
(Foto: ygb.black)

Goiás está entre os dez estados com o maior número de jovens empreendedores. São 94.425 empresas do tipo microempreendedor individual (MEI) administradas por goianos com idade de 16 a 30 anos, segundo dados obtidos no Portal do Empreendedor, gerenciado pelo Sebrae. O estado figura na 8ª posição do ranking nacional, que é liderado por São Paulo (712.601 empresas), Minas Gerais (294.328) e Rio de Janeiro (271.334). No Centro-Oeste Goiás lidera isolado, superando o Distrito Federal (50.945), Mato Grosso (50.880) e Mato Grosso do Sul (38.260).

Em todo o estado há 58 empresas pertencentes a jovens de 16 e 17 anos. Outros 5.164 empreendimentos do tipo MEI têm proprietários com idade entre 18 e 20 anos. Na faixa etária de 21 a 30 anos, o número é expressivamente maior e chega a 89.203 empresas. Fora a capital, Goiânia (28.261), Aparecida é a cidade que mais tem microempreendedores jovens (7.733), considerando o grupo das cinco maiores economias de Goiás, que inclui ainda Anápolis (5.515), Catalão (1.404) e Rio Verde, onde estão registrados 2.637 MEIs com idade até 30 anos.

Jovem empreendedor de Aparecida, Vinícius Thor de Jesus Santana entrou recentemente nessa estatística. Aos 26 anos, ele abriu há pouco mais de um ano sua própria academia, a CrossThor, especializada em treinamento de crossfit. Foram quatro anos e meio trabalhando como assalariado em outro box, como são chamadas as academias da modalidade, até que ele decidiu tocar o próprio negócio, em sociedade com sua esposa, Letycia dos Santos. Apesar de ser patrão de si mesmo, ele pega no pesado todos os dias na academia – literalmente – como instrutor dos quase 60 alunos do box.

Para bancar todo o investimento já feito na academia – cerca de R$ 32 mil – Thor teve de abrir mão de alguns bens, inclusive o próprio carro. Mas ele garante que valeu a pena. Assim como outras empresas, a CrossThor sofreu um revés no 1º semestre, quando as academias tiveram de fechar para conter o avanço da Covid. A queda no faturamento chegou a quase 80%, revela o empreendedor. No entanto, Thor conta que a empresa já conseguiu superar os prejuízos e hoje fatura 22% a mais em relação a 2019. O empresário atribui a recuperação do box à expansão física da academia, que agora comporta quase o triplo de alunos de sua capacidade inicial.

Letycia dos Santos e Vinicíus Thor: aos 26, empreendedor abriu sua própria academia de crossfit – Foto: Acervo pessoal

“O principal desafio é conseguir manter o público fiel ao seu negócio e fazer com que sua proposta seja concreta, de modo que cumpra o que promete. E não há receita mágica: é preciso ter paciência e trabalhar de forma correta”, diz Thor. Ele conta que sua renda pessoal hoje é 35% maior em relação à época de assalariado.

Especialista em empreendedorismo, o goiano Chaysther Lima capacita jovens que estão se preparando para iniciar na carreira de empreendedor. Para ele, a atitude empreendedora se manifesta com mais intensidade em jovens em função do espírito desbravador nato dessa fase da vida e da autonomia que a juventude busca para si. Ela destaca, entretanto, que os jovens precisam se preparar para o desafio de ter a própria empresa, o que envolve a tomada de decisões complexas e de alto grau de responsabilidade. 

Para Chaysther, é fundamental que o jovem empresário desenvolva habilidades como inteligência emocional, disciplina, persistência e foco. Além desse treinamento, o especialista indica a elaboração de um bom planejamento de negócios. “É preciso entender que, ao iniciar um negócio, ele dificilmente terá um ponto de equilíbrio imediato; é necessário ter paciência e persistência, pois isso pode levar meses ou até mesmo anos para obter lucros”, sugere Chaysther.

Primeiro treino, depois sucesso

A empreendedora e escritora na área do empreendedorismo Jakline Tolentino acredita que os jovens empresários devem estar em constante aprimoramento profissional. Na avaliação dela, as inovações tecnológicas imprimiram forte ritmo no mercado de trabalho, que acaba abrindo oportunidades aos profissionais e empresas antenadas às novas demandas da sociedade. “O mercado de trabalho pode ser comparado a um organismo vivo. Ele sofre mutações a todo instante, fazendo com que novas profissões apareçam, ao mesmo tempo em que outras caem no ostracismo. É preciso ter isso em mente. Conhecimento nunca é o bastante, e as empresas alijadas da realidade do mercado tendem a ser atropeladas pela concorrência”, diz a especialista.

Jakline Tolentino, Chaysther Lima e o pesquisador em desenvolvimento pessoal na carreira Alysson Costa concordam com a afirmação de que empreendedores bem sucedidos estão sempre treinando suas próprias competências e as das suas equipes. Residindo em Goiás, os três especialistas são co-autores do livro O Sucesso é Treinável, que, em menos de quatro horas após seu lançamento, se tornou o título mais vendido no site da Amazon. O livro também esteve em 8º lugar no ranking da revista Veja, entre os mais vendidos na categoria autoajuda e esoterismo.