Perto de completar seu centenário, Aparecida de Goiânia ganha uma nova vocação econômica

Você está visualizando atualmente Perto de completar seu centenário, Aparecida de Goiânia ganha uma nova vocação econômica
Voltado para aviação executiva e cargas áreas fracionadas, Polo Aeronáutico Antares inaugura uma nova era de desenvolvimento em Aparecida (Divulgação)

Rumo ao seu centenário, a cidade de Aparecida de Goiânia completa, no próximo dia 11 de maio, 99 anos de emancipação e deixa para trás a imagem de cidade dormitório e mera região periférica da capital Goiânia.

Após experimentar um forte desenvolvimento de sua infraestrutura urbana na última década, a cidade passa por uma nova transformação e prepara-se para se tornar também um hub logístico aéreo. Com a nova vocação, abre-se também a oportunidade de um novo nicho de oportunidades para a população.

A cidade receberá o polo aeronáutico privado Antares, que atenderá as demandas nacionais da aviação geral. Com  um investimento da ordem de R$ 100 milhões, ele irá absorver grande parte dos mais de 63 mil pousos e decolagens da chamada aviação geral ou executiva, realizados por ano no Centro-Oeste. Esse tipo de aviação inclui táxis aéreos de passageiros, transporte de carga, serviços aeromédicos, operadores privados, instrução de voo e os prestadores de serviços aéreos especializados como a aviação agrícola. 

Capitaneado por um grupo empreendedor formado pelas  empresas Tropical Urbanismo e Incorporação, Innovar Urbanismo/Aeroar e CMC/BCI, o polo é voltado para a aviação executiva, manutenção e operações logísticas. Além de pista de pouso e decolagem, oferecerá áreas para a implantação de serviços especializados. A expectativa é que três mil pessoas trabalhem no pólo quando ele estiver totalmente implementado. 

“A chegada do Antares representará o surgimento de muitas e várias oportunidades para os vários profissionais que são demandados para as operações aeroportuárias, desde um gerente de aeroporto até os atendentes de pista. Há também profissões ligadas à manutenção, como mecânicos e auxiliares de mecânica de aeronaves. No Antares, inclusive, outros serviços surgirão ao redor do empreendimento, como hotelaria, aluguel de veículos e alimentação, o que irá demandar uma grande cadeia de empregos”, explica o piloto de linha aérea e gerente de produto do Antares Polo Aeronáutico, empreendimento em construção na cidade de Aparecida de Goiânia, Eumar Lopes.

Com isso, crescerá a demanda por formação voltada à aeronáutica deverão aumentar, tendência que também será fortalecida após a pandemia, de acordo com o professor do curso de ciências aeronáuticas da Puc Goiás, Salmen Chaquip Bukzem. “Não tenho nenhuma dúvida que o modal de transporte que mais irá crescer no país é o aéreo. Para os grandes empresários, mesmo com a maior difusão das reuniões online, não se exclui a necessidade de contato presencial em muitas ações.Temos na aviação agrícola, uma categoria importante  da aviação executiva e o aumento dos serviços de transporte aeromédico”, avalia Bukzem. 

O professor de ciências aeronáuticas explica que a aviação não movimenta só o pessoal diretamente ligado à manutenção e operação de aeronaves. Segundo o especialista, há também uma infinidade de atividades satélites que orbitam o setor, como fornecedores de peças e prestadores de serviços diversos.

De acordo com Bukzem, devido a necessidade de grande especialização, os vencimentos de profissionais que atuam no setor da aviação podem ser bem acima da média.  “No caso do pessoal ligado à área de manutenção, por exemplo, os salários variam conforme a complexidade dos equipamentos que eles operam. Mecânicos de monomotores a pistão, recebem uma média entre R$ 3.300 a R$ 3.500. À medida que esse profissional vai crescendo e vai tendo acesso a aeronaves mais complexas, temos outro nível que exige maior capacitação, chegando a ganhar em torno de R$ 5 mil. Quando se chega aos modernos jatos executivos esses ganhos são ainda maiores, já que são aeronaves mais sofisticadas e caras”, esclarece o especialista.

Sobre o Antares

Localizado a 15 minutos do Flamboyant Shopping Center e às margens da BR 153, o Antares Polo Aeronáutico terá  terá acesso facilitado por via expressa dupla. As obras da estrutura de apoio e da pista de 1.800 metros têm previsão de conclusão para o ano 2024. O Antares poderá receber todos os modelos de aviação geral, jatos executivos, monomotores, bimotores, até o Embraer 195.

O Antares Polo Aeronáutico abrangerá uma área de 2,096 milhões de m², com pista para pouso e decolagem de 1,8 mil metros, terminal de embarque e desembarque, posto para abastecimento, pista de acesso aos hangares (taxiway), Fixed Base Operator (FBO) entregue completo para assistência aos proprietários de aeronaves, estacionamento para visitantes e área destinada para  helicentro e hotel.

Uma área de 654 mil m² será destinada para receber hangares de aviação executiva, de manutenção de aviões, escolas de aviação, empresas de compra e venda de aeronaves, peças e fornecedores em geral.

“Foram cerca de 10 anos de estudos e planejamentos. O projeto tem porte inclusive para receber fábricas de aviões e, ao mesmo tempo, tem espaço para empresas e escritórios para executivos e empresários que tenham o transporte aéreo em sua rotina”, detalha Romeu Neiva, um dos incorporadores responsáveis pelo empreendimento.

Multimodal

Eumar Lopes lembra ainda que a privatização do recém-internacionalizado aeroporto de Goiânia confirmada em leilão público realizado no mês de abril; a inauguração em março de mais um trecho da Ferrovia Norte-Sul, que já corta seis municípios goianos; e a privatização prevista para julho do trecho entre Anápolis (GO) e Aliança do Tocantins (TO) da BR-153, transforma a região no principal corredor rodoviário de integração do meio-norte com o centro-sul do País. 

“Todas essas recentes mudanças consolidam Aparecida de Goiânia como um importante hub logístico multimodal, fazendo com que a cidade goiana ganhe ainda mais atratividade para empresas, que queiram  ter um ponto estratégico para distribuição de suas cargas para o Brasil e para o continente latino”, avalia.