Alienação fiduciária de imóveis deve ser formalizada em escritura pública, define CNJ

O Conselho Nacional de Justiça (CNJ) definiu, no início do mês de junho, que os contratos de alienação fiduciária de imóveis deverão ser formalizados por escritura pública. A alienação fiduciária acontece quando o devedor, com garantia, contrata a transferência ao credor da propriedade do imóvel por meio legal. A medida, porém, não se entende para os contratos celebrados no Sistema Financeiro de Habitação e no Sistema Financeiro Imobiliário.

De acordo com a advogada integrante da Denerson Rosa Sociedade de Advogados e Mestre em direito pela Universidade Federal de Goiás (UFG) Caroline Levergger Costa, há muitos anos, o mercado de crédito privado utiliza instrumentos particulares, ou seja, contratos particulares, de alienação fiduciária para a constituição de garantias imobiliárias, inclusive com o uso de assinaturas eletrônicas.

Esse era um método considerado mais ágil e simples para a liberação de empréstimos e financiamentos. Só que agora, com a posição do CNJ, a formalização desta alienação com a garantia deve ser feita por meio de uma escritura pública em cartório, medida que vale, inclusive, para incorporadoras e loteadores.

Segundo a advogada Caroline Levergger Costa, requisito permite que haja mais segurança jurídica nas transações imobiliárias (Divulgação)

A especialista diz que o objetivo é evitar a realização de fraudes e inconsistências, garantindo mais segurança em operações imobiliárias. Por outro lado, várias entidades e empresas do setor estão preocupadas com o impacto do custo e a demora em realizar uma escritura pública para cada operação.

Juridicamente, um dos grandes pontos questionados nesta posição do CNJ é a sua validade. Segundo Caroline Levergger Costa, isso porque a interpretação do Conselho foi fixada em uma espécie de processo administrativo, em um pedido de providências que trata de uma norma hierarquicamente inferior à Lei.

Nas palavras da advogada: “Com esse novo requisito é possível, sim, que haja mais segurança jurídica nas transações imobiliárias. Da mesma forma que também é possível que os custos e o tempo para a liberação de empréstimos aumentem. São dois lados de uma mesma moeda.”

A advogada destaca que não há dúvidas de que os cartórios de todo o país deverão obedecer ao comando do CNJ e que, para o futuro, resta saber se haverá um recurso ao Supremo Tribunal Federal (STF) para questionar a posição ou se o Congresso Nacional ajustará a Lei, estabelecendo novas diretrizes.

_________________

LEITORES ESTRATÉGICOS
Participem do canal STG NEWS – o portal de notícias sobre estratégia, negócios e carreira da Região Centro-Oeste: https://x.gd/O20wi